quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Paisárge, n.1(Pra Alessandra Franco)

Quinze pras cinco
nos roscófe dos pulso: café chumbado
queimarandando goelências, rua
do catete, janeiro avança,

vão Nevoências na cidade dos homens, bestiários
que vendem jornal. De repente Cabruuuum!!!! -
as amendoêra - tendo avecê
nos Chuvarão que rebenta. Gente salta, num susto
'proveita e desenha no chão 
letra de capoeira. E foge,
com sessenta pernas__________

a freira que passa e vai bem capaz de pensá:

"nada como um Sustaço
pra cervical 'mpedernida
dos cabroléu - sebão nas coxa(e canela)
e peeeeernas pro Outêro da Glória,
serão seis horas 
logo: de Vórta
pros Quirieleissão."

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Quatro Paisarandagens(Para Luciana. À memória de Mário de Sá-Carneiro)

I)
Água: pássaro líquido 
em paredêmias de vidro.
Mas os lábios são flácidos,
extensorões dela Noite
cheia de Olhos, e são rainhas
desfolhando ipês
na geremário às três da madrugada__________

II)
Pedra: faces
do chão? 
Nas poças d'água
Pluvíona
os pombos não veem gigantescas aléias,
castelos desespelhados de suas Jubas, 
moinhos sem pás, Antijiranas
desertas.

III)
A forma do lírio
é dor que não sabe que Dói,
sol dobrado no bolso, cinzalha
dos cantochões.
A mão Sonária das nuvens
passa em revista as sombras
a projetar Helestátuas
interrompidas:
                             (Atacca)
IV)
e se aglomeraram
junto d'outras raízes. No pátio 
um dos meus eus sacode 
cisternas de tempo, música surda,
vida-Névoa, Ampulhétia_________
não Chega para um rosto comprido,
de tão
gris-Morto...

Preludiêto

Anfiontes errara o rumo do flarismeu que era
 a Única saída
 possível___________

as corredeiras embricavam sambas e prequetés de anódinas Ivês-Serpentes que do alto das amuradas bradavam Tântricas

o Beleléu
das últimas paletas ainda machucaradas
com o rosto do sol Restante....

domingo, 22 de janeiro de 2017

O Lago dos Estinfálios(Estudo n.1 para as Grandes Neblinas. Pra Luciana Moraes)

Seis rocinantes devoram morros
na grajaú-jacarepaguá. Vislumbre
dos totens de Manassés filho de Ezequias,
onde o princípio e o fim,
feitos de carne e Antanho________

mobliterançados, restauradiços Somente
se promontórios faróis farfalhejassem pro mundo
o Vento que estilhaça o país, mas nos Invézes
Brasília anda apagando os pássaros.

Sacudo tapeçarias, pauís ravinas e antares
caem do céu cacarejando aristarcos,
pedras num campo aberto machucarando as árvores,
sangrando homens e mulas, trigais e anjicos.

Há velhas cartas depauperadas
onde as casas chumbeiam,
há cinco horas em todos os relojecos
e todos batem dentro dos peitos nas filas
do salgado filho, nos Morrencéus dele hospital
da posse, ali, barranquê daronde escondes
tus ojos, porque lá temes
que entre uivos e chatôs Roncolhos
os totens de Manassés te mordam os cernes
da Alma__________

caberenceiras cortadas Rente,
casas que o mar Deglutiu.





sábado, 21 de janeiro de 2017

Esboço à mó-Carvoíce(À memória de Zygmunt Bauman)

A vida-mona anforizou-se em plástico,
mornidões sépias de antofagastas Falsêlhas,
corredores de gigantescas asas,
as mais Inúteis porém - não há pelos papéis vergê
nenhum esboço de janela ou porta_________

Inexistentes os rondilhões de Pulcrície
que taralvez me Entrigarassem planícies,
onde eu voltasse com meus braços 
na mesma balsa que trouxe o filho pródigo à salvo,
junto dos sobreviventes 
de Sobibor:

mas em vez disso 
eu vi Fugindo aquele sol da tarde
virando as costas às janelas do mundo,

e a vida(Avara)
descustipíu todo xibíu Contrário,
evanescente
qualquer ebó de ver-Norte...

A Casa em Jacarepaguá(Cantiga de roda-Avêssa, pra contrabaixo e flautim. Pro Sergio Cohn)

A casa em Jacarepaguá 
recende a mato, e Cansaço.
Por mais que me enfiasse sob o lençol(graças ao pai)
imagem foi sempre de uma cabra
chifrarando a parede e Sangramentando
as bochechinhas com alfinetes:

bulbos de porradaria atlântica eclodindo Fartos,
junto das órbitas dos olhos.

Precisamente no mar do acorde si bemol maior 
as criaturas sem Dorso avançam pelo meu cérebro
sem mór-Defesa, eu que aos meus dezesseis
bebia toda Angústia da medula__________

estrada Pós-Lumiar: cabelo Roxo e morte por Nome 
no entrevério de agostinho porto a seis quilômetros 
do Nunca sob as lanternas da policía Mandúcara,
os signos todos touro sem terno Pronto,
e a mãe(que Não retornará) vaga seus choros Órfãos 
na antiga quinta deserta, e candangamente
tinha o tamanho dum país___________

quebrei cervejas de vidro - eternamente Inimigas 
da velha e baça lanterna a Esfregarar no focinho
a casa em Jacarepaguá, que Fede a mato,
e(Culpa do pai) mór-Cansaço de Tudo.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

O Livro de Eclesiastes(Pontacabeçálhu. À memória de Zygmunt Bauman. Todóroa Preludienta, para tuba e tantã. Para meus irmões André Ben Noah, e Laura Pires)

Sabença Véia: 
no espaço dos interlúnios
naufrágio é tudo que brota das árvores 
(chuva lambuza bichos muito entretidos
em lamberer meu Ossário).

Inadianta acreditar não haver porta-aviões 
que nos invadam pelas veias do Leblon,
isso porque ela paz faz É Tempo:
não tem mais rosto de pomba__________

bem na cacunda do grande quintal
soturno edifício Sobe: acabou-se, Brunhária,
a vista do mar.

O céu em certos dias já produziu verões
de carreiria na areia, Infantícios nossos.
Hoje tão querendo pôr muro por Tudo_________
do México a Nova Iguaçu,

tempo de não se ter louça pra bocas desdentalhadas,
que isso já deu muita urticária no deus-Mercado,
e seus ulisses agora batêro - martelo e pezinhos -

"diminuam-se elas bocarras
com menos de 32 dentes! Novus Ordo
Seclorum!": entra em vigor na data da publicação,
descartadas todas as árvores(mas todas MESMO)
que não parirem Naufrágio. Satiricão, Véia Sabença
ali no duro, Durango.

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Polichinélia n.1(Estudo, apronto-Corró. Para Luciana Moraes)

A serra do rio do rastro
fica lambaixo no Sul.
Eu nunca fui,
mas nem por isso dou pé lampeiro
pra boca do poraquê__________

inda é preciso Nascer
pro Rosto das manhãs de neblina...

O mar a flor as cores todas da lua
bem cabem num almanaque rebolado,
enquanto eu cismo nas construções dele Tempo
e engulo ostras em grupelhos de vinte.

No grajaú Luciana adormece,
um girassol brota Gigante entre os seios
e os anjos-aviões vão a galope 
contar no ouvido dos Três 
que na esquina chinfrim Dasamérica
um novo espírito suspende a lâmpada do Encanto 
pra Gáudio dos terraços do mundo.

domingo, 15 de janeiro de 2017

Rodopiaréu em forma d'Antífona pro Dia de Reis(Para o Órgão da Sé de Mariana-MG, saxofone-soprano e fagote. Dedicado a Hugo Stutz e Alexandre Durratos, e Emanuela Helena)

Penico que se Prereze
também fossilha e Cabunga
à solta na grande escadaria,
enquanto o vento varre as sépias Folhudas
e grãs-cortinas e Chincalhões nos retratos
cozidos ao paredê desque foi Fico
aquele dia janeiro no Paço dobre
dantanho...

ainda é verão deste lado,
maculelê no Intó palácio dos pássaros 
tirado aquele assassinado pela flecha-de-fogo 
(e a gente Reza pra não ser o Uirapuru)

os muros ardem com a vida antiga,
ardem no sol Munguélo
além do bailarino sem ácido
num rosto de cinquenta olhos,
mas foi em Olaria(na rua Pixinguinha)
que escutei que este ano NÃO VEREIS PRIMAVERA,
crianças Órforas deste país Golpeado___________

são Roxos os fins de impérios num céu de amásios Carvãos
e acordarei sem Cores
para os pássaros que virão,
porque nas águas Turvas da enchente 
os últimos penicos Morreram, e rolam juntos -
no torvelim-Correnteza -  com bois enormes,
mortos desque Eles Três 
rasgaram a eternidade ao Meio.

sábado, 7 de janeiro de 2017

Salviçorôntio(Oração Vespertina de São Mármaro. Para Luciana Moraes, Mindinha)

Salviçorôntio de mais um dia
abro nos horizontes o antigo Livro dos Mundos:

os doze antigamente Chamados
são gigantescas estátuas por onde o Vento
faz tilintar as chávenas de chá
e a fumaça das chaminés de Bangu

a estrela Altáriça se levanta no céu 
ao mesmo tempo em que os Três 
contemplam os zifeus entregando o rei Davi
às garras do Beemoth da palestina,

onde outros pescam esfirras de âmbar
no fundo do Velho Mar.

Apolo vai se deitando - procusto - 
no quarto, amásio duns Quintos
já nos cangotes dos homens________

na profusão dos espelhos Verejo aranhas
com seus bordados produzindo átomos,

e me recolho, no beliche do planeta-Navio,
a memória pendurada em postas nos horizontes,
salviçorôntio - apesar de Mim - da ladeira 
de mais um dia.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Ritual de São Mármaro pros exorcismos Definitários do ano 2016(Pro Sergio Cohn, e pra Luciana Moraes, Mindinha)

Pai da Eternidade, querido Hóspede : é Vívido
que há muito aturas meus ossos, esta caveira
enferrujada e trôpega, aboio
de chuvêra braba - bem daquelas de rola-morro. Misererére.

Procuro ainda o cernêrio
que me leve aos jiraus de mim-Mesmo 
enquanto o resto dos sacis filhotes avança sobre camelos
(tão Rocinantes), e o sânscrito dos "sábios" persiste
em não se abrir em floradas aos jardins dos Simples.

Nos pés-de-chumbo da serra a gente encosta nos outros,
esmolando Cor_________ árvores olharam Todas 
pro mesmo lado que a estátua-de-sal
olhou no Chile em setembro de 73,
vaso chinês que se move
e no entanto Morto, isso desque os primorórdios afinavam
os tamborins da bateria da Portela, eles também 

confins de Mim nos cocurutos
da grajaú, e os aguaçais seguem Sentando, meu Pai,
os cascos em tudo quanto foi manguarí
deixado em pé após o Estouro do mundo_________

Senhor de tudo, Vós Três bem vedes
que amanho pedras e as transformo em palavras,
sursunCordário, ainda crente
nos haustos Roxos que de Vós me vêm num sacundê de cacundas,
arauto-Eu
do sopro que de Emaús, deeeeesde LÁ
segue Abraçando os homínidas.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Paisagem Córvica, n.1(Pro Rafael Zacca, e Patrícia Vital)

Candências de maresismos
aquela margem de lua minguandescente
e no entanto o Último dos itororós,
risândolas de promontórios
sem água nem Cavalanos__________

apenas escarpas multiagudíssimas
e nosso fardo de carne desejando Cova,
gente acorda no inverno 
e a cidade são Mussuês
retalharados ao vento, os bungos todos
cortados Bem pelo meio:

obala-lás confeições
e cabras-Fraque nos gravatás
onde alma-Velha se Acaba que nem os dois
na Serra do Rola-Moça___________

que nem ele, João da Matita
e as telas perdidas do Crariberê.

domingo, 1 de janeiro de 2017

Cantiguirinha Alfazêmia(Para Luciana Moraes)

Manhã de novos soprares, dois mil e dezessete deles
 sobre a cabeça das nuvens.
Tons de rubro descem a copa
das árvores. Alguém sopra
as últimas estrelas. Mais uma vez se adia
a volta do Cristo das gentes,
os Três vestem de azul
esta manhã.

Pássaros sacodem guizos
enquanto assoviam oboés. Pelo teu quarto
estátuas de pano bocejam,
esticam os bracinhos, à espera
dos teus olhos negros.

Ao longe o mar se espraia em línguas do P
enquanto sonhas com pés de Vento,
e teus lábios sorriem_____
cinquenta demônios verdes caem duros,
transfeitos em pedra.

No céu poucas nuvens
andam de bicicleta, São Pedro
deu folga aos trombones, cá no jardim
girassóis que plantamos juntos
retomam a dança interrompida.

Olho teu corpo 'inda adormecido:
a linha do horizonte abraça a vida
que ainda não Sabes. Tempo de semear
pianos nos jardins do Mundo_____

pois somos dois espíritos moços
que andaram nas caravelas
e na cabeleira dos ventos
despenteando elas árvores. Em Ouro Preto
os anjinhos barrocos do Aleijadinho contemplam teu rosto
(a Virgem te surrupiou um retratim), apaixonados todos,
doidinhos pra se desfolharem
no teu colo.

Nesta manhã caminharei de Volta
para teus braços, onde homem e mulher
são UM______

onde subimos escadas
de tapetes submarinos
até que o céu e a terra se abracem
num grande aplauso de fogo.