quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Ventariscências nos quatrocentos Litórios(Pra Mana Débora Nascimento, e prêle Augusto Guimaraens Cavalcanti)

Desfízios de trás-Montana a verberar Mondríííííans
nos caçapós Jaguaripes daquele 'marfanhado brazuca
de cabelê escorrinhado e fazedô de burrácha
nos istéus d'Acreança
em 1912, ressalvaradas todas disposições em Contrário:

PUBLIQUE-SE este margentarento Apophísio
junto das cercas maldezalentas e tão cózes-Planaltos
que legiões futurísmias não vão poder Serrilhar, sob penança

de trovojões e canários monstrengos,
matriorôskas elaboradas com Sangue, ebós barbudos
e demais semáforos grão-Fecharados
p'rélas Almícias infantes, tão mal cuidadas
por ele progênito do Encampalário Absurdo
do vão-País de mim-Mesmo__________

por sobre o que não Fui há cinzelências e pontes
que só um outro -  Metade d'Eu
quer passarar e Morrer_________

AINDA MAIS quando por causa dos Hômi
CAEM CRIANÇAS do céu
assim bem Mesmo sobre as três águias e Esfinges
que Antevirão, forroró pé-de-Serra
do cabroléu Caba-Mundo, ventariscências
tão litorais, Quatrocêntios.


terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Apophiose(Valsêlha-Choro em nove por dezesseis. Pra amiga Antonella Pareschi depois de um post Importante. Também pro Leonardo Marona, e pro Sergio Cohn. E pro meu mano Hugo Stutz)

Sonhão de íris morto a nove brasas:
mastrélas roxas sob um mar de outono 
fuzuério e Corno - as sentinelas respiravam braças
dum só mar Antanho e no entanto vãos, trezentos e
cinquenta postes onde as cabeças do rei
de copas: o resto foi o pai 'rranjado pela Eternidade 
e cujas mãos quebraram ipês
que eram minhas asas Todas e mais:
fuzarcas de violescências__________

os meus sentidos enxergaravam lunários
e mesmo Assim o pai capando minhas asas
achava que não estava partindo os Espelhos

e se gabava que Era o pôr do sol pelos jardins 
quando a verdade é que matava à prazo
minha Mãe... e todo o Méier

falava à baldes sobre as nuvens com sífilis 
e a Serradura
que a minha vida Seria...

mas sobre tais futurismos 
mancenilhas esbagaçadas em 1913
e nunca mais pude sentar com seis pernas
e o bau-Cachimbo que à tribo inteira faz Torta_________

escala em Campos de Carvalho e o coelho branco 
trauteando pelo meu sangue enquanto de medo
eu mijarava nas camas e meu pai 'stuprava ela mãe 
ali, parede alenvítia__________

daí cigarras Mazingas, morabelês Uncarnados
e a última Ilusão foi grão-Partir os espelhos:

São Mármaro folheia o fim do Processo
e os dois bungos de casaquê a esfaquear o coração 
do K. são na verdade ornitorrincos
de francenêlha e gravata, e a faca parte num Zúnzio
delas fronteiras das páginas pro avarandado do peito
e sete princesas mortas depois
sou Eu, tão galeões naufragados e os Istopíus

foram meu bó-pai-do-mato, jurado de morte 
por tudo quanto foi Caapora nascido_________

mastrélas rotundas mas rotas sob mar d'outono
e cagalhões pela banheira e nove surras de Cegar querubins
e sons de vozes amarantamente,
mas tão Inúteis quanto
o "miserere" dos outros...

as rãs Sem Dúvida hão de coaxar-Me -
já que não fiz itororós nem canudos -

contr'ele pai macuco de Erínias,
after all más desinências de fuso, cigarras 
morrerencendo valsêlhas
pelas janelas da Tarde.


quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Dispois dum Pito Jacinto(Pro Microscopista e pro Testamenteiro. Pro Augusto Guimaraens Cavalcanti)

É noite e por toda minh'alma faz Noite_________

senti que vinha me chamando, fundo de vala ou rio
propondo carnavais misteriosos,
e como sempre nesses cacasos
ninguém cridíta que o viverente
dispa de fato o fato, gravatameiasceroulas
e mais a Única alma que inda mafalda
respira... - os brararDósios dos heyks
a mungurar pro grão-Mundo que tal cangalho fora da curva
tem mais é que ser Mesmo assafrado
e mais depois servir de pasto às Fogueiras donde não Volte_________

a perturbar eles sábados, tráfegos 
e a busca Retinta pelo antebraço faltante
do Blaise Cendrars e da seleção de futebol da Bulgária.

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Cantares Prânios(Pra Luciana)

Um sopro vindo de muito Longe...

E as nuvens se espantararam, feito rebanho
de cabras descendo escarpas.
E num repente a rotação do planeta 
ficou mais Leve, 

e pela prima vez em centênios
o peso destes ossos Tronchudos deixou de ter
importância, noutro repente os horizontes do Mar
abriram vênias cortinas, e as caravelas de Sagres
há muito dadas como perdidas encheram todo
o horizonte, voltando ao porto de Lisboa, e bem por cima
o passaredo saudava as mães 
que novamente abraçariam seus filhos...

Vi tudo isto no sopro morno, moreno
em forma e corpo-Mulher, dos olhos-Noite
mais puramente Magícios, primaverências
a levantar a saia das árvores:

o Sopro, mulher, era Você espadanando com as nuvens, 
e o céu agora
era de todas as Cores.

sábado, 17 de dezembro de 2016

Teus Olhos(Concertino-Apronto para nascentes de rio e os tamborins da Portela. Para Luciana Marques)

Teus olhos: flor das janelas 
da casa das antigas Palavras: amoras mangas cajás,
estrada mais que Amavelmiga onde bordejam Ipês
de toda cor
já neste mundo Pensada.

Teus olhos: escuro de grota funda
onde as mães d'água te invejam
porque teus beijos a ninguém afoga nos brejeréus,
mas eis! São feitos
do pólen das fadas mais Brasileiras, 
tão Narizinhos no Sítio
onde os sonhares 
são rotineira Frescura.

Teus olhos: parentes de outras dez vidas
como as que o alferes quisera
depor no altar dela Pátria, quero ser ombro onde eles pousem
seus pés de pássaro e Dança  -  ombro
de carne, sangue e Itabira______  Ferro, seguro Cais
e mão Forte.

Quero pomares de Encontros nesses teus olhos
onde o boitempo é sempre sempre
de Sêmpreres, sem maus sacis
e mais cangalhas de choro_____

quero Abrigança nos mares 
de teus abraços, mulher: porque parecem Comigo,
tropeiro-Andante
do mundo das pessoas-Aves,
transarvoredos Azuis por todo espaço
lavrado em sete caminhos,
onde anda Inteiro um País:
ao som do mar 
e à luz do céu profundo.

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Contiço Arrabáldeo(Em Memória das vítimas do Ato Institucional n. 5, promulgado também num 13 de dezembro, 68. Pro Hugo Stutz, e Ana Helena Ribeiro Tavares)

A rua da padaria
são todas as bolas de gude da minha infância,
são pássaros(com a cara do Cohn)
dizendo como é duro venderer poesia -
num patropí onde renans sobrevivem
que nem 77 no Ceará,
aquela seca Incardida.

A rua Mara da padaria 
são vincolhões masgaraiados no tacho
pra se engulir com ossos e farinhanha
- munguntrapos -
do cobrelô vaguerejando no espaço um segundo
antes da morte atrapalhando ele tráfego,
os bós centavos
fora da porta das casas_________

a rua(Escura) da padaria 
fugiu com os sabiás derradeiros
e as praças de 1918 com babás, crianças

e um tempo que lerdeava Pachôrro,
bonacheirento nos chuvês de Músguio.


sábado, 10 de dezembro de 2016

Randomiscência Tardíssima(Pro Marcelo Reis de Mello, e pra Luciana Moraes)




Toda essa gente se engana
e então não Vê que você 
bebeu Jurema pra ver
Filhos de Gandhi 
dançar um trôncuro nas extensuras
delas paredes do quarto________

de Empós cê viu brasília Ruir
porque deixamos os cupins humanos Crescerem
e sugarem pra eles toda umidade relativa do ar, 

e nos espelhos nenhum Paranoá resistiu,
depois que o sol da liberdade 
fugiu batendo a porta dos fundos
e ninguém Viu nas salas de jantar, 

que os zôio d'água agora são deutérios Fabungos________

 e os hômi Côrno andarolando lérias
'stão ocupados em nascer e morrer,
os últimos sonhos
sumiram dos quadros, Todos.

Nenhum comentário:





domingo, 4 de dezembro de 2016

Cantilerena(Parceria com Luciana Moraes. Pro Augusto Guimaraens Cavalcanti)

Manhãgangária, Ribômboa:
acordo assim ver prestação chorada, lagoa escura
isso de ver na subida 
que nenhum monstro emergiu de-Noite 
pra machadar as pernas do planeta-navio________

libélula batendo os pinos
na janela Implacável, e desdantôntem
perdi meu lugar na chave.

Olho pralém a tempo de ver passar
a malta no pasto-Asfalto 
manietando o avô colocador de pronomes,
cabaram-se as vagas todas 
em cima dos Jabutis:

agora mais que Nantanhos
o tempo é de homens proferidores
de arvorências Partidas,

cada naco de légua 
são ruas desmemoriadas,
palantins de um Sisterema-Charuto
que o Capiroto acende lampêro
com dedo torto_________

ribomboamento de Elérias - aladas -
ripando todas as Tróias.

sábado, 3 de dezembro de 2016

Desvão de Mór-Cirineu(Inspirado em postagem de Luciana Moraes. Pra Luciana Moraes)

Noitêra crassa. Vão de janela, caolho: é bem possível 
que você me Perceba,
sentarandado à beira do mundo Cânho
enquanto as casas se Despem
num tempo onde elas bíblias nos oratórios
perderam todas as escadas__________

bem possível que vejas neste Interlúnio
o mau começo das nossas terras,
reflexões duma manhã Longínqua
nos evertérios e cremalheiras Atômicas,
e desde lá faltam pajés em cada tronco
de árvore, desque dos horizontes
as caravelas trouxeram Incêndios 
em suas Imensas cacundas_________

e bem talvez você no Invés me perceba
abraçarando o grão-barqueiro das Mortes,
eu que faz bem dez outonos
não tenho mais poço daronde Retire
uns zôio d'água pra mode insequênça
nos profundôs Carpidagem
pros ossos do Conselheiro que nunca,
mas nunca de Núncaras
gozaram paz Descansária.

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Os Doze Profetas(À memória de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho. Pro Marcelo Reis de Mello)

Ando magarras com pés Enormes,
varejo longe a coberta, que pára à custo
no ombro dos alambrados,
e deste lado num ângulo de 30* aproximadamente 
eu vejo a sentinela com a metranca de dentes 
arreganhados______ próxima parada 

o décimo-primeiro andar onde tonéis
brotam nos galhos dos jiquitirãs,

e nos meus pesadelos eu desespero por não saber
se esses tonéis têm Alma,
não me importando as cramúncias
que tragam Escondidas no peito:

eu também olhos que se fecham na chuva,
eu também ábacos tetraplegísteros
do vão-pescoço pra Baixo, eu também musgo
agorafóbico por ser abóbora-Choque,
eu também nau
com todas as velas pandas e os portorões
vestidos de crepúsculos-Ferro_________

eu que jaramais pus Frereios
em nossa exuberância tropical 
fui despejado da pensão lendária em Jacarepaguá
por insistir em ser goleiro 
do time da rua de Cima,

e trezidões de fulôs não me Valeram 
porque também não pari girassóis
prêsse Brasil carente de acordes_________

o lance é que o retrato do Velho
não cabe mais na panela,
e as porta-bandeiras todas pediram cidreira
e Arrêgo, desesperadas com o balancete:

os vagalhões dele Crepusculário
descem descalços Ladeiras
na taça do Sétimo Anjo.

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Modinha, para xilofone de brinquedo

Pois é. Te disse hoje 
que elefantes e girafácias e pianos cavalgarantes
caminhariam na pauta dos primeiros versos
que te escrevesse, Querida, morena, mulher e
Musa_________

mas na Real
quero é plantar uns Jardins
que te façam crer que as noites profundas,
estreladíssimas, me grão-Prenderam
quando Acordei pros teus olhos, porto
de Infinitências...

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Fraturismúndum(Pra... Mim)

Linha mestra: face Nóruga,
tombo manifesto em carne
às primas horas, dia 13, qualquer 
Merês:

desci de Mim, como dissera o cara
lá no hotel Nice em 26/04/1916, a estricnina fungalojando-Se
nos cangorotes da Alma________ (O) -

caso,
par de ninguém,  formigorontes Riem,
me sobem as coxas até os bordalos
do sótão,  e não há Céu, nenhum
som de flautério que alevante as saias 
do cruzeiro do sul, e mais_________

visões de ossanha, mães Oxum chorarando
disgraça, tarde cai pelos morréus
e quebra as cinco primeiras vértebras, 
mas São Francisco nem larga a paca
nem primíte que você morra de Novo
este mês - Caronte mandou reclame, as barcas
num tão dando Vazão - linha mestra

da vó Murtiça, pés -Novelos
em Truz e quintessências de unhas
'rranhando quadruros negros Inté_________

sanhaço à mais penalvas de Ferro,
mundacarús, Paruís.

domingo, 6 de novembro de 2016

Ofício de Trevas, n. 1(Parceria com Luciana Moraes)

Matar lagartas colororidas na chuvarôa
e depois ter aflição de si-Mesmo:
até nerém carecia
haver poema na mesa, mas vire à direita em cem metros 
quando a avenida acabar de assoar o nariz, 
onde inda ontem mesmo existria
um pau-brasil respirando. 

Mas como sempre - desque os bisões
tomaram Manhattan -
eu pus na cara a maquiagem Carnégira
de posseiro Insípido do aquário-rim-Solidão_________

dias onde Sempre fui órfão
e nunca subi de mim
como talvez as tardes em Itapoã. Talvez. 

Mas esse o pai. Filho das horas,
e dos NÃO-espetáculos. A chuva 
pode molhar o olho. E seus pés tortos 
de oficina Irritada onde há demora de meses
pra se ingerir um pedaço de Coisa.

Mas ver a vida sendo mais que pau de Fulô
requer sorrisos, e guarda-chuvas.

E que vejas Somenos nos quadros 
em que anões matam lagartas Listradas
com uma tonelada de bigornas,
e fogos de dragorões 
pueris. Lembrar: a chuva 
pode molhar
o olho.

domingo, 30 de outubro de 2016

Ebó Chororoso

Me sento sobre seis rodas
num tronho de sabá Cinzilante,
todo profeta, e arrisco pro vulgaréu
ar assim mei' chapado de quem faz muito
convive com os loucos e os poetas
que pelas grandes naves dão-se os Pés________

impaspacado com o biribó dos minino
sentados na esquina da nuvem, mesmo sabendo
que o Crato é mais muuuuito pra longe
do bom jesus de ver-Praga,

e me colóquio genúfero todo Choringas,
que afinal mesmo Podendo(e não posso) todos centavos do mundo

ali no entronco da dias da cruz com 24 de maio
qualquer de-Pão prêsses mininos
mais dia menos dia se transforma em pedra.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Canção do Nada e Depois(Parceria com Luciana Moraes)

Minh'alma canta
todo o Nada. Mas agradeço ao anjo
que me sentou no degrau do ônibus, ainda que longe
de Minas e dos carros-de-boi.

Pra refazer o Trabalho
não cabe Endurecer os compassos, mas DES-semear os asfaltos,
jacintos
do Capiroto. Oh rosas - de Todos os ventos - procurem sabedoria
no Jongo dos girassóis, inda que os mares Gurgitem
restôlhos de caravelas tentando nos por Medrôncios.

Oh vós que de Emaús escutarem os Concertos
não tranquem as portas ao Hóspede que lhes acena Abraço,
inda que os deuses do mundo
ofereçam a Prontidão da MÁ-quina, junto dos cavalanos
que um dia soterraram Teerã__________

Pois apesar de o "resumo" a cada um Caber
nesta canção propomos Flor e Mistério
e vocalizes Cantáricos
de Jardinezes Abertos.













domingo, 23 de outubro de 2016

Panflerestudo, nº 1(Pro Rafael Zacca)

"Delenda est pmdb! Delenda est pmdb!!"(São Mármaro)

Dormir Sovado que nem
massa de pão Rúim.
Acordorar quando no firmamento
estrelas inda trabalham.
Saculejar nos trens desafiando a física.

Trovorejar num trampaço Roncôlho
até perto dos 90, OU
beijar Caronte bem antes, pra alívio e gáudio
do pmdb.

Voltar descadeirado fedento moscôso lá pro muquifo que fica
depois das botas do judas, o ossário todo
num maçarôco Escabroso.

Dispois adrumescer Sovado, que nem...
partitura ver ritornello MALDITO_________

este é Jãozé Munguzêro. Brasileiro.
Que nem Eu.

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Rondó Antigo(Parceria com Luciana Moraes)

Deus que te fizeste em Flor: respirandamos
porque também te fizeste História, com
Jequitibás e Paus-de-Ser
cujos quinhentos braços
Enlaçam desde entonces
pajés amigos e inimigos
...
Deus que os homens calam em solo enterro
embaixo dos cimentos:
passamos por entre
Fogos_________
e_________Infernos
pra te arranchar em nosso infante peito.
Por entre Fiordes________
e_________Invernos
de Lesa-Corpus
víamos as próprias árvores fugirem em pânico,
temendo cauda e saltério da Antiga Serpente,
que antes de vir o Tempo
Arrastapeou um terço das estrelas do céu...
...
Deus de flores e ventos,
nós partíamos  de guarânias, sem um estancar__________
e teus tentáculos açambarcaram sopro de Vida em nós,
milhões de Abraçaramentos___________

e respiramos, enfim,  ares de Flor
ares de Com e Por
ressurgentes de-Nós,
novamente achados Filhos e Crias
em devir-Essência.


terça-feira, 18 de outubro de 2016

Sunset Pregnancy(Poema de Luciana Moraes)

O poeta céus falou
do túmulo do embrião Originário :
- Seja você mesma.
- Aonde?
-Você mesma.

Oh, poeta, seguirei teu Caminho.

domingo, 16 de outubro de 2016

Sermão Corró Passarinho(Em memória de Rubem Alves. E pro Ullisses Areias, e Hugo Stutz. E pra Luciana Moraes, Musa)

Não chame de Sol
o que apenas soterra e queima.

Não chame de Muro
o que apenas multiplica o Medo.

Não chame de Olhar
aquilo que não 'guenta Espelho.

Não chame de Casa 
muquirifos que desincensam a Paz.

Não chame de "Exemplo" o abraço 
que apenas Açambarca amigos.

Não chame de Terra o lugar
onde só caibam capitães donatários________

não chame - ENFIM - de Lugar
o espaço onde o Filho do Homem
não tiver onde pousar a cabeça. 

sábado, 15 de outubro de 2016

Visões de São Mármaro, n. XVI(Pro Hugo Stutz)

Num tempo
onde nas almas dos homens
infâncias sofrem de Morte à prazo 
as lampadosas do Encanto criam pernocas
e fogem pelas barrancas
do rio Gavião_________

os sete mares do mundo mudam de sexo,
viram sertões de um jeito que Assumbraria
Tonhão Cabró Conselhêro.

Meninas não florem mais aquelas visagens
em que tertulham alegrinhas a futura 
multiplicação dos corpos,

no próprio espaço do céu os querubins 
magrecejaram a olhos vistos,
aperreados com tanto mandacaru do Capeta
escondichado no meio das núvis_________

olhei: ornitorrícios voadores abriram bocas,
parindo Centaurodontes
armados até às dentuças,

e os povos - côrnos, Fabrôlhos -
irão de cabeça pra baixo 
pros Quintalhões dos Infernos.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Umas Dóbroras(Musguilho, pra berimbau e fagote. Escrito em parceria com Luciana Moraes. Dedicado - de minha parte - a ela)

Num qualquer lugarejo
ali entre ele fim de Nova Iguaçu
e o armário de capotes da órbita de Ganimedes -
revogados todos os asteróides em Contrário -

uma flor no olho. No outro:
galho d'árvore bêbada, criança feita
unicamente de notas musicais.

Mas você vê dois girafantes que trampam na Uruguaiana
conversarem, e apanha um ângulo do colóquio 
como quem segura a nuvem
que passaVai_________

"eu até podia adiarantar aquele cascalho,
mas seu pobréma é anoitecer bem Rápido",

e a vida: andária assim brujão-Caranguejo,
faltando peixes na cesta e dona Rita
errando por dois centímetros o arremesso do iogurte,
que afinal era cordélia Estragada:

o guarda munícipe do outro lado da praça 
sendo INCAPAAAAZ de medir a Infinitude
daquele arremesso.

_____A poça rosa é Toda um cu,
daqueles de Umbigo.

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Canção Cloresódica(Para Luciana. E pro Marcelo Reis de Mello)

SuspIgarapé
cabendo Inteiro na garganta sem mais concreto pra deglutir ostraraças
em grupos de dez________

sal agora é Tudo que a voz trabalha
nessa infalêra chamada vida
pelos escribas outrora: o tempo espalha
e as migalhas caem sobre copacabana, que aprendeu a chupar cápsulas detonoradas de fuzis atômicos
com singelência Petiz ao triturar
as balas juquinha d'Antanho________

O sal desce arranhando gargantas
que choram pontes que levam Povo
prum rés-futuro mais à Direita, 
onde também pontificam o Dragão,
a antiga Serpente e os trezeguerentos profetões de Baal
atualmente incendiando o Planalto________

a terra que ousar sobrar terá Carradas deste sal Iníquo
por semeança e castigo.

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Cantigantares pra Lú

Lú: eu na verdade ando Muito
com certeza Inconha - pra não dizer rés-Nenhuma -
se de fato as danças das eternidades
têm prazo de Validade, ou se à Véra
são trombetas de prata fronterejando velórios
do bicho-hômi Morrente
pra mais de Metro________

sei com certeza nunca ter merecido
ser raptado por querubins de gravata.
Também não tenho prata nem ouro,

nunca de núncaras
fagoteei em coreto
nem conduzi exércitos 
pelas areias da Pérsia. Mas________

teus olhos-Noite Manheresceram essências
plenas de pássaros, eeee
torres sobre Antares longínquos
e eu com cinco peixes dois pães lhes Abri
a porta das caravelas,
e por mais que as antigas Serpentes
deserembuchem vulcões,
o amor que Dançamos hoje faz Chuvescer
novas matinas dum Mundo
ainda nos velocípedes.

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Poema Minino(Arranjo para assovio, a partir de original para duas ocarinas)

Quando me Vi nos teus olhos, não planejei,
foi mar Alto. Anjos murílios de carinha redonda e gravata borboleta
zanzaram com mil zabumbas vestindo ipês
de todas as Cores, saudando um girassol deeeste tamanho
que ele Van Gogh pusera
bem no meio do céu.

Um mundo inteiro  -  outrora corno, candongo e chôcho  -
abriu cantares de sabiás em zabelescências
de terça-feira gorda: pianos gigantes
banzaram num galopéu por toda a cacunda
deste planeta-Navio_____

e fui junto. Das caravelas de Sagres
fui todos os caras grumetes
Berrantes no cesto da gávea, chegando onde mais terras
por encontrar houvesse.

Mas o melhor mesmo de tudo
quando me Vi nos teus olhos
foi ISTO: me vi minino e ridículo.
E achei muito bem que assim Fosse,
estar minino e ridículo_____

do contrário eu não veria nos teus olhos, moça,
mais nada além de apenas dois olhos.

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Reconheçença de Nêmesis(Visões de São Mármaro, n. XVI. Em memória de Constantin Virgil Gheorghiu)

Apôsto de pulsilhas inconciliáveis com o verbo Florir:
_____'ssa maravalha Incardida que anda à pernas gigantes
nas grandes cidades, produzirindo paidéguas
pras funerárias, muito antes do tempo da Velhice:

e que Eles Três chamam de o Grandíssimo Custipíu,
e eles homens nos laboratórios 
chamaram de pânico, ansieredade, tremiliriques, Morte.

Pois são terempos onde magogues(capetões descobertos nas peregrinações de São Mármaro)
passeiam cópulas de borboletas atômicas bem no quintal
delas almas, de todos que morem no mesmo espaço com mais dez milhões 
em supercubos Anorexitronchos, não existindo
período de incubação padronizado__________

mas os sintomas - em qualquer povo, raça, tribo, língua, nação -
são sempre os mesmos: fuzuruê de Açambarque
num desembêsto de carreirança por grana, grana e mais grana,
o tempo sempre sendo lebre mais Looooouca,
todos os relógios dando a vigésima-quinta hora(aquela
que se segue à Última)__________

Pois é. Inconcilismos com o verbo Florir,
pulsilhas de um Cabamundo
já fungarante nos cangorotes do mundo.

domingo, 25 de setembro de 2016

Romança com jeitão de epístola, em ré bemol maior

De pé sobre os Montanhares
Contemplo árvores feitas de nuvens,
com elas teço um buquê_______

um grupo de centauros filhotes vai te entregar.
As ondas de treze mares 
fazem casas fugirem, levantando as saias,
a ninguém saudando pelo caminho.

Sem o Grito dos náufragos 
não se alargam Horizontes. Por isso também 
importa que não esqueças: 
um porto são  trinta berços,
raiz e rosto da História  -  a isto dizem Amém
São Mármaro e os doze profetas de Congonhas________

ainda que tais Nascimentos
sejam muito Compridos.



quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Estudo levemente acordado(Escrito em parceria com Luciana Moraes)

Visões da amanhecida Hora:
são dígrafos, dípticos de móres sóis Gêmeos.

Refaço um quadro de onde saem pássaros
juntando búzios pro fim do Tempo_________

mas é mourejo
de um olhar querente de estudos
dentro da chuva, 
e a possível lágrima
brotasse, da mesma nuvem__________

um todo Ar, ou bem-estar de céu:
e duas árvores Abraçarantes
naquele bosque Futuro. 

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Poemetcho(Escrito em parceria com Luciana Moraes)

Adorando a moça(vizinha, cantora) 
e sua voz que me atravessa
paredes.

Porque ela voz
junto aos gambitos
das gotas de chuva(solavancos de móveis
lá em cima no céu Ponteando)
é boi g'rantido de Medicina__________

e esqueço que entre o "projeto"
e o "protejo"
existe um fio. Então Inspiro: as árvores, 
no quintal. De Volta.

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Anotações Tobudas(Escrito em parceria com Luciana Moraes)

Intonces
vi os anjos das cidades Pálidas
tocharem fogo nas últimas bibliotecas, 

anti-reza longínqua ver aquele sertanejo 
que atura o seco diabo o dia todo
no funduréu de catende e só deseja ela chuva________

Qualquer garrancho de água 
é imbó de mor melhorança
na terra cansada de Seco
e de perdizes surrupiantes
passando no jornal das oito:

redoxon sem bula é menos sério 
que dez colheres de tonofosfã em 1940
sem prévia receita??

As orações batem na porta da Fome
e pedem âmnio café nas estações de bangu,
grapiúna e gramacho________

aqui palhaços manjam dos astros
e são amigos dos serafins, os mesmos
que apagaram a luz
de empós tocharem fogo nas bibliotecas das cidades Pálidas, sem valselhim
nem Retorno.

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Incência de trás-história

Quando nasci anjos Tortos
disseram Nada: mas aceitaram
florices brejas Incências
da turma que apareceu em casa
nos costerões dele Méier pra turumbambas
ao nascituro Chegante.
Os bondes já não tralhavam há muito
na vinte e quatro de maio
nerém não mais subiam
a dias da cruz com sete pernas de ferro
os marechais
inda mandavam em Brasília
seus dentes pernas bandeiras trampados à muque sombra e tragédia
na maravalha dum povo
deitado à luz do céu profundo
e malparado nos torques
dum chumbo Grosso, taludo.
Mas no quintal lá de casa
era a cerveja, Portela,
nos açambarques por Tudo
e o pessoal nem se dava
de suas vidas um dia mais Curtas
e a turma do verde-oliva pintando ebós e o diabo
sem dá-licença_______
que a mãe mais Linda, de branco
mostrava prum mundo Roncolho
que seus rugidos carrancas rabugens sangues
um dia iriam pros quintos do último inferno:
nos braços dela a prova mais Cúria
de que ainda sóis nasceriam
com flores Azuis no céu.

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Mombaças(Escrito em parceria com Luciana Moraes)

Mundo é esse longo pernoite das horas
que passam fora das janelas
enquanto a gente engole as nuvens
cá dentro, num gesto Fosco_________

como um saci
que de repente acordasse com cinquenta pernas
e por isso mesmo
não sai mais do lugar.

O sol(quando amanhece)
é flor Margurosa,
sobram mombaças
do Cirandeiro perdido
que fomos eu e você, muleques descalços,
felizes por não saber
que Itabira era um planeta enorme. 

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Sermonerete

Num mundo que repete números eleitorais
como quem vende sexo a metro,
e onde as carnaúbas jacintam o Inverno dos homens
com proberências de Chumbo__________

prefiro o som de pianos cavalgarantes
que vem da Alma dos teus olhos-Longes.

No mais, laíscas de pão,
esparsas gotas de vinho, e sempre haverá Setembro,
nossas mãos 'trelaçadas.

sábado, 3 de setembro de 2016

Massúmbre, n. 3

____Ah meus arumpês Erebós!!

Eu rapsódio e fascículo
vim Perturbar as charangas bem comportadas,
e cada vez tou ficando Melhores - todos meus eus -
Trocentos, mais andorinhas.

(Este há de ser o cartãozim de visita
mais des-roncó passado nos olhos da trempe
que teima em marcharar na paulista
com deus pela família em vagalhéus bolsonários.)

Esta manhã o mar é dália gigante
mas com cheiro de traseiro de urubu.

Se eu fosse Roberto Piva anteontem(dia do golpe)
ainda assim ele rancharia podercência.

A morte com guarda-chuva
ainda assim peida Alto.

As flores bordam histórias
de peitos Desfaliscentes. Olho pro céu
e surubins demoníacos tresandarandam
frevós de mãos com dedos médios
guampados bem na cara da gente________

irmões, não foi geografia Não,
foram braços de gente 
que Cavalharam a caatinga!!

Massúmbre, n. 2(Pros queridos Justo d'Ávila, e Juliana Holanda)

Lá vem brunzó maruím,
descendo lampeiro a avenida 
por ela noite de barulhões papaçados:

parece-me conhecer este fartum
Desque este mundo Não Era.

Buquê de nuvens: dormir no mar há muito 
deixou de ser Carinhança, hoje é marais
pra bicho Carrapatúúúúú.

'sse descalabro vem Longidez
ver o engenho do Capão do Bispo,
onde inda hoje se avista
alma penada de preto 
vagando na Cachambi, enquanto aguardam nós outros,
mambulhos suburbanenses_________

lá vem corró Carunchêu
no dorso do cavalo amarelo 
montado por michel temer, e a morte
e o inferno o seguia, enrabando-O.

Não há promessê de sementes
no vão da porta, mas dá para ver as casas 
em fuga pelo horizonte. Anjos canhotos
sacodem maxixes de caramelo
pedindo pressa a São Mármaro:

não vá esse mundéu Mardito
chegar atrasado no encontro 
com a Breca final de Todas,

ressumbração dos Alumbres
do lago que arde com fogo e enxofre________

_____Ave que Evém carnã Findarança!!

Massúmbre, n. 1(Pro Ullisses Areias)

Num mundo onde cada vez mais 
arvoredos saem correndo com trinta pernas - 
que o bicho-homem vem aí e é fo - go -

o curumim que vive na gente mais precisa
de ser segurado, senão Descasca
ver boi selvagem dando marrada
nos portorões angulosos do
pai da mata de concreto e asfalto__________

____pra quem é que a gente Telelefona????

Sou dez que gritam mas só me escutam 
as palavras, num tem mais sabiás 
brincando de reconstruir as pirâmides,
e no planalto a noite ancora
seus cotorurnos de chumbo.

Evém maldade carapanã, vestida de pai francisco
mas na verdade é muriçoca atômica:

da charretária de raios
são minotauros uivando que descem,
batendo as asas e os cascos_________

cristal bunito zuniu-se,
em Mil. 

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Na Praça(Para Luciana Moraes)

I)
Na praça saens peña era um silêncio mandrake,
assim malandro que espera chuva de corda
pra daí mais quinze minutos, mesmo instante
em que as tias do grajaú
viram doce de abóbora, sem coco.

Mas é consenso os velhos dizerem que na praça
tinha um cinema danado di bão,
e é Penalva que hoje
ali só passe a reprise batida 
do apóstolo tochando no cu
os dólar dos disdentado.

Dali nem cheiro da Pedra(são mais de onze da noite)
que foi um dia cotada 
pra receber ela Estátua,  perdendo a Vez
num pleito fraudado Barbaridade.

II)
Lembruras dele, o poetaço anguloso
que teve os óculos-Bronze roubados
mais de cinquenta vezes___________

Eu não devia te dizer(num tem nem lua redonda 
e nem conhaque amarelo), mas teu beijo - aquele de alma e de corpo -

foi tudo, nada, DEMAIS,  e inda teve
o anjo torto que apareceu pra gente,  pedindo caneta
pra fazer palavra cruzada.



sábado, 27 de agosto de 2016

Prophúndus nº 1(Acalanto, para três ocarinas)


Teus olhos, moça, são todo um céu de Noitências
pelas areias da Pérsia onde talvez as caravanas de Hagar
passaram levando mirras e orvalho
de todo um Mundo que enxergo  olhando a gota que ficou
do último sereno de ontem sobre esta Flor no jardim ....

Teus olhos: ver multi-Cântaros onde nenhuma sede
não mais assusta quem se aventura na estrada
mesmo sem visgo de nuvem no céu por cima____

e na verdade é mais: são dez pianos em cavalgada
no mesmo céu por onde a Virgem e os santos
andaram às montas espalhando os rostos da futura História,
antes do sopro dos Três e delas artes do Fogo
que então será Prometeu.....

Lembrar do arco-Promessa, do trigo pleno de Pão
no amparo de cada haste, no vinho que alegra os homens, os anjos
e faz dançar os centauros junto das naias e ninfas,
é todo um cântico dos universos ocultos Antes
de a gente saber que haverão tardes, manhãs
e todo um Mundo, repito, que brota armado de Cor
no  Mágico desses teus olhos, onde me achei
como se o Pouso enfim depois de andárias Lonjuras
galgadas Só nesta vida....

(Imagem: obra sem título, de Ismael Nery)

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Água de Sal(Milongas de um Chorumbau)

Eu perco as horas. Perco eles dias,
sóis Fabungos, planetas e nem
a chave mantida em casa me consola.

Cafungo pros geriões ruralistas
que a peia deles vem Próxima
junto dos fogos retornorantes que um dia
salgaram Góma e Sodôrra, parindo adispois
vau de mar que já nasceu MORTO,
hasta BEM hoy_____________

mas é miséria o tal 'stipêndio de mim-Profeta,
sem falarar as noites geladas
sem colo fêmino que valha Tasca, a gente zabumba
e nuuuuunca que sai detrás da parte Búndia
do ônibus mais Traulitado.

Eu perco as Âmnias do renascimento
havido por certo de empós o pouso das sementes de trigo
no campo vasto que será o Depois, pra mil e cem
mas Jaramais de são nunca presse Contúrdio, EU________

eu mais debaixo de chãos de terra sangrenta,
e nem por isso menos Furrúsca , todas as línguas Secas,
abriu-se o livro Perdido, e os montes fugiram prum longe:

sem ponto, vírgula, acento  -  carrancas Todas
de um Castiguério avisarado faz Muito.





sexta-feira, 29 de julho de 2016

Poema Esfaceliscente

Cenário de fim de mundo,
as nuvens órfãs do sopro do Hóspede
fecham janelas, assoam o nariz com Estrondo:

trombones lâmbados 'jaculam uns trompaços,
na terra os homens sacodem saias
e se escondem em sementes de guando.

Sonhei uns conversês com a Esfinge,
ela contava entre litros de chope 
a história do meu avô cangaceiro.

Sargento Proterião é o novo acólito
da besta e do falso profeta: perdeu dolmã,
os cueiros e os dentes, nunca mais foi
nos baticuns da Portela_________

mundo fabungo trôlho,
teus epitáfios Maduram.

Visões de São Mármaro, nº XV(Para Naiara Campos)

Os mares
encolhem barriga, nuvens esticam asas,
centauros ficam de cara verde
vomitarando alfabetos Extintos__________

morte virá
como um sacramento Necessaríssimo
antes do Hóspede requisitar o planeta
pros fogorões do Juízo:

há convergência nos presságios Todos
de que José, Helena, Sebastião, Artur, Narisa 
e todo o pessoal das páginas amarelas
irá com todos os ossos se apresentar
perante o Grande Trono Branco_________

caboborrou-se ele Tempo
junto de qualquer dança
entre o bonde e a árvore,
também fazem cinco mil anos
que as últimas rosas migradoras
deram Adeus aos jardins: crianças dormem
com fuzis nos berços

e o poeta mastiga um pão
guampando entre cidades sem Nome.

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Visões de São Mármaro, n. XIV

Tangências borocochôs é tudo que sobra
do grão-Sossôbro duma odara Olímpica transfeita em pesadelos Guampudos__________

a cidade assiste ao descalabro num Desarvôro poucas vezes testemunhado, onde pra nós - os "reles" - faltam salários hospitais escolanças, 

enquanto os gringos tomam conhaque e nós josés levamos fumo nos rêgos. Há muito não brotam flores
no asfalto da presidente vargas às cinco em ponto da tarde__________

berém um puta dum sinal deles Tempos: cramulhas espreitam detrás das nuvens, só esperando as ordens do presidente golpista
pra mastigar nossos artelhos e aortas, de empós a noite haver caído por Tudo__________

essa noitêra de Cinzura e Mortalha.

domingo, 24 de julho de 2016

Valsêlha Desalegrária(Para Carolina Coutinho)

O domingo bate à porta da sala:
homens não melhoraram,
ainda matam poemas 
e crianças na fila do hospital da posse__________

no quarto ao lado não tocam mais Pixinguinha,
há muito não dá manchete.

Em cima do aparador as contas vencidas 
viraram nossos capitães do mato
e não adianta achar uma barbaridade,
nem procurar manga nova na árvore Cansada
que ainda veste o quintal.

Enquanto isso elas igrejas Sérias 
vão cada vez mais Vazias,
na contramão dos apóstolos 
que enfiam dólar nos cus
e multidões porta adentro.

Procuro um restorôlho de Villa-Lobos nos bolsos,
só há janelas onde sóis ordinários
andam se Maricando
pra nuvens desmilinguidas,
enquanto a virgem cambêta
cumpriu o prometido pra santo antônio
vinte anos atrás__________

chegante aos idos 40 e com o xibíu Intocado,
vestiu-se de noiva em branco e sem incomodar ninguém 
foi morar nos Fundérios
das águas do grão Guandú.



Croníquia

Vagamente manhã neste domingo público.

Rosto: repuxos
espavoridos paventam
fugindo às costas da noite.

Na docilência do meu jardim
setenta espelhos partidos.

Lá fora, depois do muro
andam cidades sem nome
e a torre eiffel que estas duas mãos
verão Jamarais.

Mas aqui mesmo no bairro
uns chusmos de frenesi, infâncias
 jazendo em Pedra.

A lua gorda inda demora,
e tem mais Colo que eu,
retinte de banda estreita
roncando sem ressonância
misterioso dobrado
furiosamente________

domingo público nesta manhã Vagarísia,
eu bem mais tantra de Ontem.

sábado, 23 de julho de 2016

Estudo Equatorial em Sépia(Depois das onze. Pro Guilherme Gonçalves)

Faroíbas de Mim - aquela noite,
paraventos despidos de calções e pernas
onde eram dias Quatórios que ninguém mais 
viveu, sem rei nem minérios
nem retratos de funcionários do Mês__________

meu adeus minha vila, os Japuribes Secaram
e num tem visgo de gado nas manjedouras.

Túnel Rebouças há muito esqueceu
os neguirins dela Estação Primeira 
que as armas brutais dos polícias mastigararam,
pra dispois cuspir
o sangue indiferente no asfalto,

enquanto a noite mais Turva nos ascendentes de morte
jogava às cartas e as caras eram demônios grandes,
de Orûmis tão dentro e à esquerda________

lugar sem Lei, faroíbas de sanguinescências
e demais fulgícios extremerentes, Núbluros,

dias mais Chão onde elas noites em que o pai nasceu
nunca Existiram, Despauterérios
sem janta dispois das onze.

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Lamentação de São Mármaro(Para Patrícia Vital)

Entonces - perdido o mar Parintim -
o poeta bêbado era a tristura encarnada
em não mais bondes
pro Largo do Guimarães.

A fé nos viseus e nos hômis
foi de pontaça-cabeça pra onde as botas do judas,
berém dirispois da reputa
que Tripariu.

Inás plantadas nos jardins lá Dentro
goraram Borocochências, ferrolhos zumbos e Erínias
em quinze léguas de alabês-Luandas,

noitêra crassa desarvorando nos amiantos
onde andararam Manhãs,
mundéus essentes de Anjicos e sacis filhotes,
agora um varzerão de Cinzalhas que sobe a serra do mar
e vai perder-se em Longências,
e não há margens nem portos, nem respiranças
que salvem da Corrosão
o solitário retrato de Itabira na parede cascuda__________

por onde corram meus olhos
é só caroço nessa anguzada Mortiça.

domingo, 17 de julho de 2016

Crônica nem tão Berêsta(Pro Hugo Stutz)

Foi no tempo dos bondes, em 1938.
Aqui no Rio e em Belorizonte
um poeta de gabinete já 'flosofava',
conformiscente com o Descalabro:

naquele Intronho já não darava
para explodir a ilha de Manhattan.
E olha que haviam jardins, passeios públicos
onde moças empurravam bebês
arquivados em carrinhos alemães,
sorriam fla x flus na rua Álvaro Chaves,
e o América tinha um
dos melhores times do Mundo.

Hoje? tudo Pauzílio, aliás pioronou o que
já desde o tempo dos bondes Descadeirava_________

temos Brasília sendo grande Privada, presidiada
por um roncolho pato engomado, Lamarecência
de ver corar o rio Tietê
e seus cagalhões boiarantes:

fabungação Destrompária de não se acharem janelas
num corredor de chão Cragoatento, onde os sapatos
fugiram de todos os pés, como ele Mário diria  -

____miséria pare vassalo pare ogum pare xerém,
e há de  -  Forçuda  -  parir
nossa Engrolação também.

sábado, 16 de julho de 2016

Mosocoráico em Si Maior

As casas espiam os homens,
que andam na crista
vendendo as mães pros mega-haréns
da Turquia, e nas retretes
é muita lágrima chorada ver procissões,
os próprios anjos Sinistros
coram de Rubra vergonha__________

a tarde é não Mais azul,
os zabelês são caçados
por zaccas heyks e homônimos
(e esse orgulho tão besta 
que nem uma Cooooisa de ser Bandeiramente!!).

             II

Meu pai gramava à cavalo,
a bisavó foi Culambra, e tem mais:
trisavô regente de banda
em Garanhuns Pernambuco nhôr-Sim.

Deixa dormir Urucum(coitadinho)
no fundo do Rio das Mortes,
o casario é novárvore
na cabeceira dos morros,
e tem modôrra dispois
da feijoada beeeem glutirida
de costas pro trem bufando
no Ingrânzo da ponte Alta.

Prece dele São Mármaro(Supliciário n. 1. Aniversário da derrota do Brasil frente ao Uruguai por 2 x 1, na final da Copa de 1950, o "Maracanazo". Pra Emanuela Helena)

Ó Senhor nosso, Vós Três conheceis
as caveiras que ainda vestimos
com ternos de pano Ordinário.

Sabeis quão avara tem sido a chuva
sobre as sementes de nosso carnaval,
nossas orgias têm gosto de plástico - 
já que transamos com manequins Descarados*
e mugulhins de más cabeças Zefírias_________

porque perdemos bonde e esperança,
as nuvens todas além de suarem ferrugem
ainda escondem Cramulhões gigantescos,
e nem morrer tem adiantado Mais.

Não há mais cócegas nem gabrielas,
nem mais fla
x flus nem marinas.
Jangadas param na praia
berrando que chico ferreira e bento
entraram à força no grande peixe,
fizeram mestre Jonas refém
e fugiram pra rumo Ignorado_________

não só eles que Despirocaram: lampiões 
desacendem mulheres, todas as ruas
vão dar na ilha de Manhattan
enquanto no céu dez águias
mangam de nós, Gritarando:

"____Quem mandou romper
com o chefe político??"

Senhor Deus de nós Jecas!!
Livrai-nos das cisternas e açudes
(lááá dos fundéus sugerem
que desistamos deste planeta Jacinto
e por nossas mãos espantemos os urubus
dos fígados do Corcovado)__________

não estrompemos as cruzes
que temos de carregar, que bem nos seja mantido
o respirão da Portela e prossigamos:

sem mungunzás de correntes,
nem lagartências nos jardins de Dentro!

(*A palavra "descarado" é pra ser entendida como "sem cara", mesmo)

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Visconderêssa de Antanho(Modinha luso-brasiliscente. Pra Danielle Ronald de Carvalho)

A visconderêssa de Antanho
é musa_______
crescente, ou meia lua,
é nova, inteira em quase
todas as passarências
lá na subida da estrada,
à vista mesmo
dos olhões da Estátua_______

é floralice, letícia
ou madalena amandara,
qualquer essência de Flor
a tracejar tamborins da Portela
nesse marmanjo esboço urdido a Carvão 
e malpenoso de padecer conflugramas
de solidões de nem violão dar Ajêito______

a Visconderêssa é marítima,
é povoléu nos portos de Lisboa
à espera que as caravelas 
tragam seus noivos de Volta, e goivas machas
andem novamente
no paderê dela janela Antiga
junto da mesa posta com pão,
vinhaça Verde e se não for Mui pedir_______

_____algum cheirim d'Alecrim.